Declínio do império americano e populismo nas eleições dos Estados Unidos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves | Portal EcoDebate

Declínio do império americano e populismo nas eleições dos Estados Unidos, artigo de José Eustáquio Diniz AlvesPublicado em fevereiro 24, 2016 por RedaçãoTags: economia, modelo de desenvolvimento, política 4 2  4  [EcoDebate] O declínio do poderio da economia dos Estados Unidos da América (EUA) é um fato incontestável. Segundo dados do FMI, a percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) americano no PIB mundial caiu de 23% em 1980, para pouco acima de 15% em 2015, devendo ficar abaixo de 15% em 2020. A cada ano o peso da influência da economia americana fica menor. Os pessimistas dizem que a continuidade deste processo é irreversível e inevitável e significa o declínio contínuo do império americano. Os otimistas dizem que este processo é natural e até positivo, pois outros países passam a ter responsabilidades com a economia internacional e passam a dividir as responsabilidades globais.O fato é que a economia dos EUA tem tido um desempenho abaixo da média mundial e esta tendência vem se agravando nas últimas décadas, devendo ser a marca dominante no século XXI. Há vários economistas de renome, como Robert Gordon e Larry Summers que falam em estagnação secular. Ou seja, a prevalência de baixas taxas de crescimento econômico no século XXI será o novo normal e o baixo crescimento da renda per capita deverá inviabilizar o processo de mobilidade social ascendente que prevaleceu no passado. E o pior, o crescimento da desigualdade faz com que a parcela do 1% mais rico do país aumente sua parcela de riqueza, enquanto diminui a parcela dos 99% da população. Assim, os EUA podem ser caracterizados como uma potência mundial decadente e com problemas sociais crescentes.A tendência à estagnação secular fica claro no gráfico abaixo (Tverberg, 2016). Na década de 1950 o PIB americano crescia em média em torno de 5% ao ano, caindo para 3% na média anual, entre os anos de 1970 e 2000 e encontrando-se em torno de 2% ao ano nas duas primeiras décadas do século XXI. Há sinais que o ritmo vai diminuir mais ainda no médio e longo prazo devido aos ventos contrários, apontados por Gordon (2016): 1) aumento das desigualdades sociais, 2) educação deteriorada; 3) degradação ambiental; 4) maior competição provocada pela globalização; 5) envelhecimento populacional; e 6) o peso dos déficits e do endividamento privado e público.  A dívida pública líquida dos EUA estava em torno de 40% do PIB na década de 1930 e disparou durante a Segunda Guerra, ultrapassando 100% do PIB. Com a prevalência da hegemonia americana no mundo e o alto crescimento a dívida caiu para níveis muito baixos (menos de 30% do PIB) até o final dos anos 1970. No governo Ronald Reagan (e depois George Bush pai) houve aumento dos gastos militares e redução dos impostos dos ricos, fazendo a dívida aumentar rapidamente. Mas com o fim da Guerra Fria e o fim da URSS, os gastos militares diminuíram no governo Bill Clinton e a percentagem da dívida como proporção do PIB também diminuiu. Contudo, no governo George Bush filho o percentual da dívida aumentou rapidamente e disparou no governo Barack Obama, devido às medidas adotadas para estimular a economia.Em fevereiro de 2016, a dívida pública em poder do público era de US$ 13,6 trilhões (cerca de 75% do PIB), mas a dívida pública bruta atingiu US$ 19 trilhões (104% do PIB). A perspectiva é de aumento da dívida, pois o orçamento é estruturalmente deficitário. Desta forma, a solvência do governo central está constantemente em questão e o Congresso está sempre querendo fazer cumprir a obrigação de manter a dívida abaixo de um valor fixado por lei. Neste ambiente, qualquer proposta para aumentar impostos e aumentar gastos se torna um tema politicamente explosivo. Dificilmente um presidente, qualquer que seja a ideologia, conseguirá aumentar os gastos do governo, nem por uma causa justa.  O enorme endividamento publico nos anos 2000 não teve o efeito de acelerar as taxas de crescimento do PIB, como vimos nas figuras anteriores. O gráfico abaixo mostra que o crescimento do PIB nominal dos EUA aumentou 1.700% entre 1970 e 2015, mas a dívida aumentou mais do dobro (3.900%). A economia real cresce pouco, mas a dívida cresce muito. Diversos analistas mostram que a economia americana sobrevive em função do endividamento e de uma bolha de crédito. Este caminho é insustentável. Mais cedo ou mais tarde a bolha vai estourar e a economia vai entrar em recessão, agravando os problemas sociais.  O início de 2016 foi marcado pela volatilidade do mercado de capitais. O “Mercado Urso” é um termo utilizado pelos analistas financeiros para descrever tendência de baixa, geralmente com perdas acima de 20% a partir do pico. Na crise atual, a tendência de baixa começou nas ações do setor de energia (principalmente petróleo), depois nas atividades extrativistas e atingiu o setor bancário, abalado pela possibilidade ampliação de juros negativos, como adotado no Japão. O desce e sobe vai continuar.  A balança comercial americana que era equilibrada até 1975

Fonte: Declínio do império americano e populismo nas eleições dos Estados Unidos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves | Portal EcoDebate

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s